Fábula: O alfaiate e o mandarim


Um dia, um homem recebeu a notícia de que acabara de ser nomeado mandarim. Ficou tão eufórico que quase não se conteve. Serei um grande homem agora – disse a um amigo. – Preciso de roupas novas imediatamente, roupas que façam jus à minha nova posição na vida.

Conheço o alfaiate perfeito para você – replicou o amigo.
– É um velho sábio que sabe dar a cada cliente o corte perfeito. Vou lhe dar o endereço. E o novo mandarim foi ao alfaiate, que cuidadosamente tirou suas medidas. Depois de guardar a fita métrica, o homem disse:

Há mais uma informação que preciso ter. Há quanto tempo o senhor é mandarim? Ora, o que isso tem a ver com a medida do meu manto? – Perguntou o cliente, surpreso.

Infelizmente, não posso fazê-lo sem antes obter essa informação, senhor. É que um mandarim recém nomeado fica tão deslumbrado com o cargo que começa a andar com a cabeça altiva, o nariz erguido e o peito estufado. Assim, tenho que fazer a parte da frente maior que a de trás.

Anos mais tarde, quando está ocupado com seu trabalho, e os transtornos advindos da experiência o torna sensato, e ele olha adiante para ver o que vem em sua direção e o que precisa ser feito a seguir, aí então costuro o manto de modo que a parte da frente e de trás tenham o mesmo comprimento.

E mais tarde, depois que seu corpo está curvado pela idade e pelos anos de trabalho cansativo, sem mencionar a humildade adquirida através de uma vida de esforços, faço o manto de forma que as costas fiquem mais longas que a frente. Portanto, tenho que saber a quanto tempo o senhor está no cargo para que a roupa lhe assente apropriadamente.

O novo mandarim saiu da loja pensando, menos no manto e mais no motivo que levara seu amigo a mandá-lo procurar exatamente aquele alfaiate.

2 Respostas para “Fábula: O alfaiate e o mandarim

  1. Olá Rafael , como sempre postando mensagens interessantes.
    Sabe, ma coisas que o ser humano gosta e lhe dá prazer e vontade de viver é ser recompensado com alguma nova posição onde possa dar sua contribuição.
    No entanto, um exagero na empolgação pode ser prejudicial e pode acabar se descuidando e esquecendo as suas origens e os amigos. Mas se a pessoa merece o novo status e batalhou por ele, com certeza o novo desafio nada mais será do que a seqüência natural da sua vida ele, com certeza a euforia será gratificante e bem controlada
    A roupa de mandarim da história assim como nova vida, deve estar em constante ajustes às novas realidades e somente a mortalha final será a roupa final
    Abraços

  2. Rafael,
    Parabéns pela iniciativa…
    Espero que muitos de nossos colegas aprendam com as sábias palavras…
    Um abraço.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s