Planeje para dar o melhor de si. Seja ágil! Ação Já!


Planeje para dar o melhor de si. Seja ágil! Ação Já!

Uma empresa nasce, cresce, às vezes une-se à outra, outras vezes divide-se, em um processo que muito se assemelha ao ciclo vital de seres humanos. E como ocorre com todos nós, ela também adoece, morre ou transforma-se, alterando dramaticamente a vida daqueles que, de uma forma ou de outra, dependiam dela. De fato, os sentimentos que temos quando perdemos o emprego ou assistimos a falência da organização a que dedicamos tempo e talento assemelham-se aos que experimentamos com a perda de um ente querido: tristeza, desamparo, raiva, impotência… O que vou fazer da minha vida? Como sobreviver à perda? Perguntas inevitáveis, freqüentes, que revelam toda a nossa insegurança diante de um fato que não podemos mudar e cujo impacto em nosso cotidiano é tão forte que muitas vezes faz com que a gente se esqueça de que ainda temos o poder de estabelecer uma nova meta e de caminhar em sua direção.

Mas como fazer isso? Esta pergunta foi feita recentemente pelo funcionário de uma empresa tradicional, centenária, que decidiu fechar uma de suas unidades – uma decisão que implicará no afastamento ou recolocação de aproximadamente 200 pessoas. “Decidimos formar um grupo de motivação, que nos estimule a sair da crise, mas estamos sem rumo”, conta ele, antes de colocar o que mais o preocupa: “se a motivação está em cada um de nós, o que devemos fazer para motivar 200 pessoas que não têm destino certo e seguro?”

Situações como essas são cada dia mais comuns, pois em tempo de globalização as transformações empresariais são inevitáveis. Sobreviver a elas – melhor ainda, ganhar com elas! – não é difícil, mas exige mudanças de postura e de crença. Para começar, não é hora de montar grupos de motivação. Na verdade, pensar em motivação no auge de uma crise não vai ajudar ninguém a vencer as dificuldades – afinal, motivação para a vida, para o trabalho e para a alegria é uma coisa que todos devemos ter, sempre, e é pura perda de tempo tentar despertá-la em um momento em que a ação é a única atitude recomendada. Quando um barco afunda, por exemplo, é a ação que vai levar uma pessoa até terra firme; quando alguém sente-se mal, é a ação de socorrê-la que pode salvá-la. Portanto, nesses casos, é recomendável esquecer os grupos de motivação e fazer, isso sim, um mutirão de ação que estabeleça rapidamente novas metas, fixe estratégias criativas e efetivas para atingi-las e faça com que todos os envolvidos cheguem lá, sãos, salvos e… motivados!

É essencial, ainda, deixar de ver essas situações como problemáticas, lembrando-se do ensinamento oriental: se um problema tem solução, deixa de ser problema; se não tem solução, também não constitui problema – a saída, neste caso, é procurar rapidinho novos caminhos, idéias, ações, pois perder energia atrás de soluções impossíveis não é saudável nem inteligente. Nesses momentos, é importante saber distinguir duas atitudes bem diferentes: perseverança, que nasce da confiança em nossas metas; e teimosia, que faz com que nos agarremos ao impossível porque não acreditamos que tenhamos qualquer outra possibilidade ou simplesmente porque nos recusamos a largar o osso – muitas vezes nos esquecemos de que desistir não é sinal de covardia e, sim, de maturidade e sabedoria!

Quatro procedimentos simples são de grande ajuda nesse processo. Vamos a eles:

• Busque um local tranqüilo e certifique-se de que não será perturbado por qualquer fator externo. Analise cuidadosamente a situação que está vivendo. Escreva todas as saídas possíveis para essa situação. Coloque o seu corpo em uma posição relaxada. Imagine cada uma das possibilidades separadamente, observando as reações do seu corpo, percebendo em qual delas ele fica mais confortável e feliz. O corpo é inteligente e pode ajudá-lo em uma decisão importante.

• Pesquise! Leia sobre o assunto e converse com pessoas que já passaram por situação semelhante. Saber que você não é o único a enfrentar determinado tipo de dificuldade traz uma certa tranqüilidade e é de grande ajuda – além disso, a experiência alheia pode apontar caminhos inovadores.

• Não tenha medo. Melhor, tenha fé em você mesmo e acredite que as dificuldades serão vencidas. Afirme isso repetidas vezes, até o seu cérebro acreditar. Quando repetimos muitas vezes a mesma coisa, o cérebro passa a acreditar nisso, modificando o seu comportamento – ou seja, você constrói a sua realidade. Só é feliz quem acredita que é!

• Mantenha uma postura empreendedora, pois ela permite a você ver toda e qualquer situação, por mais difícil que seja, como uma oportunidade de crescimento, de aprendizado, de negócio, de transformação positiva. Nesse sentido, não vale cruzar os braços esperando as coisas acontecerem , muito menos culpar terceiros pelo seu momento: reflita, planeje e, principalmente, aja!

Por Leila Navarro, palestrante.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s